.
.

25.2.10

Primeiros socorros

Veja como proceder nos principais acidentes envolvendo bigodes e focinhos

Quando um bichinho se choca contra a lataria do carro daquele coração gelado que sequer olha para trás, deve-se arriscar imobilizar o membro quebrado? E estancar o sangue jorrado? Carvão ativado serve para qualquer tipo de envenenamento? Ou é melhor forçar o vômito?

Se você prefere rezar para não passar por uma situação dessas, em vez de preparar os nervos (e a cabeça) para ajudar, leia o texto até o fim. Entre o "local do crime" e a clínica veterinária, sua intervenção pode salvar uma vida!

:: Saiba o que fazer em caso de...

...atropelamento

* Como identificar: Animais que sobrevivem a atropelamentos provavelmente terão dificuldade de andar, por causa das fraturas. Nem sempre há sangramento.
* Como socorrer:
- Hemorragia externa: tente estancar o sangue, colocando uma compressa na área e pressionando com as mãos. Só tome cuidado com as dentadas.
- Sangramento nasal: deixe o peludo com a cabeça inclinada para baixo, facilitando a drenagem.
- Fratura: evite rotacionar o pescoço, dobrar a coluna ou mexer demais no bicho. Se a imobilização do membro quebrado for muito apertada, os dedos (e, às vezes, a pata inteira) podem necrosar.
- Fratura exposta: como é necessário recolocar o osso no lugar antes de enfaixar, melhor deixar o trabalho para um profissional.
- Desmaio: corra para o veterinário!
* Principais riscos: Perfuração de órgãos, hemorragia interna, comprometimento dos nervos da coluna vertebral e da medula óssea, trauma cerebral, morte.

...intoxicação

* Como identificar: Um animal intoxicado pode vomitar, ficar ofegante, ter diarréia, tremores, secreções bucais ("espumação") e até convulsões.
* Como socorrer:
- Ingestão veneno, produtos químicos ou plantas tóxicas: dê carvão ativado diluído em água. Ele impede a absorção completa do agente tóxico pelo organismo, mas só funciona quando aplicado na seqüência ao ocorrido. Dependendo do agente, aliás, oferecer leite ao bichinho ou forçar o vômito só piorará a situação.
- Contaminação por produtos tópicos (aplicados na pele): lave o peludo imediatamente com água e sabão. Vale dizer que remédios mal diluídos ou em quantidade superior à indicada também causam intoxicação.
* Principais riscos: Queimaduras, insuficiência respiratória, lesões no esôfago e no estômago, parada cardiorrespiratória, morte.

:: Monte um kit de emergência

Além do telefone de um veterinário de confiança, é preciso ter sempre à mão...

- Gaze para irritações nos olhos [1]
- Atadura para fraturas
- Pomada para inflamações
- Rifocina para machucados leves
- Probiótico para diarréias
- Plasil em gotas para vômitos [2]
- Dipirona sódica em gotas para dores e febre [2]
- Carvão ativado para envenenamento [3]

[1] Use água gelada em vez de soro fisiológico, porque, se o animal ficar exposto ao vento, sobrará apenas sal no olho, podendo trazer complicações.
[2] Siga a dosagem recomendada por um especialista, para evitar intoxicação.
[3] Vendido em pet shops.


:: Mantenha seu amigo longe destas plantas!

Estas são as espécies tóxicas mais comuns, seguidas dos nomes científicos, já que os populares mudam de acordo com a região. Se você tiver dúvidas sobre outras plantas, pergunte ao veterinário

- Açucena (Hippeastrum organense)
- Amarílis (Amaryllis belladona)
- Azaléia (Rhododendron indicuns)
- Bico-de-papagaio (Euphorbia pulcherrima)
- Cipó-imbé (Philodendron spp)
- Comigo-ninguém-pode (Diffenbachia amoena)
- Copo-de-leite (Zantedeschia aethiopica)
- Coroa-de-cristo (Euphorbia Mill)
- Costela-de-adão (Monstera deliciosa)
- Espada-de-são-jorge (Sansevieria trifasciata)
- Espirradeira (Nerium oleander)
- Figueira-do-inferno (Datura stramonium)
- Hera (Hedera helix)
- Hortência (Hydrangea macrophylla)
- Íris (Iris germânica)
- Mamona (Ricinus communis)
- Narciso (Narcissus hybridus)
- Olho-de-cabra (Ormosia arborea)
- Orelha-de-elefante (Kalanchoe thirsiflora)
- Roxinha (Euphorbia cotinifolia)
- Saia-branca (Datura stramonium)
- Trombeteira (Datura stramonium)
- Tulipa (Tulipa hybrida)

FONTE: Drª. Juliana Vela, veterinária


* Texto escrito para a revista AnaMaria, da Editora Abril.

4 comentários:

lucia fontes disse...

Adorei a matéria! Valeu!
Beijos, Lu!

Michelle disse...

Bia, ficou ótima a matéria. Mas cuidado com a dipirona, ela tb pode matar, tem que saber administrar. Em altas doses, mata. Ainda mais em felinos. Procure seguir orientações de especialistas.
bjs

Beatriz Levischi disse...

O alerta está no pé do box, Michelle:

"[2] Siga a dosagem recomendada por um especialista, para evitar intoxicação."

Michelle disse...

Eu colocaria em destaque.. Já viu, tem gente que não entende.Eu mesma já peguei casos de pessoas que por conta própria medicou os felinos..isso mesmo tendo avisado..