.
.

27.10.09

Glutona

Guda deve imaginar que os potes de guloseimas aqui de casa têm fundo falso, de tanto que lambe os recipientes vazios. Quando Simba deixa um tico da ração de pasta no cantinho, ela fareja lá de longe, estica o pescoço para confirmar e gruda os olhos na ervilha, até o grandão resolver sair de perto. Ou convidá-la para um vale-tudo.

23.10.09

Plantação de bebês

Há 54 dias, Fabiana e eu "colhemos" essa gata de um buraco na zona norte. Estourando de grávida, ela tentava se esconder dos cachorros que circulavam pela praça para ter os filhotes em paz. Com Gatoca superlotada, a gorducha acabou rumando para o apartamento da Fabi.


Os bebês nasceram na mesma noite e o buraco (acreditem!) desabou com o temporal. Foi um fim de semana de fortes emoções. Elas se estenderam até segunda-feira, aliás, quando morreu o sialata mais fraquinho da ninhada.


Quase dois meses se passaram, Mila ganhou uma família de comercial de margarina (mesmo sem conseguir sentar por causa de um problema no joelho) e deve ir para a casa nova amanhã. A diarréia não cessa e a coitada não pode ser medicada enquanto os sem-vergonha continuarem pendurados.

Sim, os pequenos já comem ração seca, mas se recusam a abrir mão do tetê de sobremesa. Quando não estão mamando, passeiam pela sala, brincam de lutinha, correm em volta do sofá, escalam pernas humanas. Na próxima sexta-feira enfrentarão a cirurgia de castração. Por favor, ajudem a divulgar essas delícias.


Pandinha é calma, carinhosa e ronronenta:


Miss Piggy é brincalhona, curiosa e aventureira:


Esther (a menor dos seis) é agitada, exploradora e adora correr:


Liliana (a mais medrosa) é tranqüila, mas não recusa uma bagunça em família:


Luccio (o mais elétrico) vive aprontando com os irmãos, só não gosta muito de colo:


Toquinho é zen, desbravador e festeiro:

21.10.09

Posses

Se algum bigode deita no tapete que o Simba acha que lhe pertence, as lambidas simpáticas dão lugar a um pé no pescoço imobilizador, seguido de mais lambidas, só que agora agressivas, até restar a certeza de que, uma vez solto, o intruso correrá em linha reta, sem olhar para trás. E é o que sempre acontece.

17.10.09

Quadrilha às avessas

Tem dias que os bigodes me lembram aquele poema do Carlos Drummond de Andrade. Do nada, a Guda resolve bater no Simba, que estava passando, aí o Simba se vinga na Clara, que estava comendo, a Clara rosna para o Mercvrivs, que estava dormindo, e o Mercvrivs morde a Gudinha mais próxima, que não desconta em ninguém.

14.10.09

Comida de hospital

Alguém sabe me dizer por que as empresas de ração ainda não tiveram a idéia de fabricar sopa para gatos preguiçosos? Aqui em Gatoca, as Gudinhas não podem sentir cheiro de creme de legumes que saem correndo para a cozinha, pedindo queijo ralado e torradas.

11.10.09

Bicho com doença de gente*

Cães e gatos submetidos às barbaridades da indústria do consumo podem desenvolver estresse, ansiedade e depressão

Imagine que você possua um olfato 200 vezes maior que o normal e alguém te encha de perfume vagabundo. Louca para desabafar, você procura sua vizinha e ela comenta que não aguenta mais passar o dia com aquela gargantilha de strass sufocante. Ainda faz questão de contar que, no fim de semana, uma amiga se viu obrigada a desfilar pelo shopping com meias de lycra, como se estivesse patinando no gelo.

"Pouco se sabe sobre a causa dos problemas psicológicos em animais, mas o principal causador chama-se ser humano", explica o veterinário Nivaldo Albolea. Ciúme de um recém-nascido na família, morte do companheiro de longa data ou viagens do dono também costumam provocar estresse, depressão, ansiedade. Mas o vet garante que esses problemas são passageiros. Descubra se há algo errado com seu bichinho e aprenda a lidar com a situação.

Sinais de alerta

Bigodes e focinhos agoniados tendem a...

- Lamber as patas e a barriga compulsivamente, chegando a provocar ferimentos.
- Descuidar da higiene.
- Fazer as necessidades fora do lugar habitual para chamar a atenção.
- Ficar mais agressivos.
- Parar de comer ou devorar tudo o que vêem pela frente, tornando-se obesos ou até diabéticos.

Como cuidar

Para reverter esse quadro, vale a pena investir em...

- Uma boa conversa com profissional especializado.
- Florais e medicamentos homeopáticos.
- Exercícios físicos.
- Sessões de acupuntura.
- Antidepressivos (somente em casos extremos e com acompanhamento veterinário)

4 mandamentos do animal feliz

Nenhum cão ou gato precisa de uma caminha que custou os olhos da cara! Ele preferirá um pedaço de cobertor velho, contanto que possa deitar em cima e ficar olhando para você. Previna transtornos de comportamento no seu melhor amigo:

- Passe mais tempo com ele.
- Permita que ele seja mais bicho e menos gente.
- Não o submeta a rotinas estressantes.
- Aprenda a decifrar sua língua.

* Texto escrito para a revista AnaMaria, da Editora Abril.

7.10.09

Passatempos selvagens

Os bigodes de Gatoca adoram perseguir uma rodelinha de ração em movimento e reviver o tempo em que seus ancestrais precisavam caçar o cardápio do dia. Simba e Mercvrivs, porém, têm jeitos completamente diferentes de executar a missão. Enquanto o primeiro caminha sorrateiramente até o petisco, atacando somente quando constatada sua completa imobilização, o segundo arremessa-o ainda mais longe para aumentar o desafio.

3.10.09

Giárdia exterminada!

Zelando pela sanidade mental e a integridade física dos envolvidos no tratamento contra a giárdia que empesteou Gatoca (e também porque eu não conseguiria medicar os dez bigodes sozinha no feriado da independência), Dr. N. decidiu fazer uma pausa de 15 dias na chacina.

O intervalo serviria para que a Jujuba parasse de tentar fugir pela lareira sempre que a campainha tocasse, para que o organismo dos pequenos desse uma desintoxicada da dosagem dobrada do remédio e para que os ovinhos restantes do protozoário atingissem a fase adulta, passível de morte.

Como em todo thriller, a segunda versão da epopéia giardística se desenrolou com muito mais sangue. Keka desistiu de vez de colaborar, Chocolate nos presenteou com showzinhos diários de urros e até o Mercv passou a se esconder do veterinário. A brincadeira me custou R$ 450 (!), isso porque o Stomorgyl saiu na faixa, graças à Merial.

A boa notícia é que agora eu posso dividir os erros e acertos da experiência com vocês:

* Antes da aventura começar, desarmem os gatos com uma bela sessão de manicure.
* Escolham o cômodo da casa com menos buracos inacessíveis para a tortura.
* Mantenham sempre por perto um aplicador de comprimidos salvador.
* Só usem toalhas para imobilização em último caso, porque presos os peludos se estressam ainda mais.
* Se segurá-los apenas pelo cangote não resolver o problema, experimentem apoiar as quatro patas em superfícies antiderrapantes, como camas e sofás, e fazer uma leve pressão com o corpo.
* Quanto mais inclinada para o alto a cabeça da fera, mais fácil da drágea acertar a garganta.
* Enquanto não rolar aquela lambidinha nos lábios, o remédio corre sério risco de ser cuspido.

Nada disso adiantará, aliás, se vocês negligenciarem a limpeza do ambiente contaminado:

* No primeiro e no último dia da batalha, desinfetem o piso e as caixas de areia com Herbalvet.
* Cobertores e paninhos podem ir para a máquina de lavar com o mesmo produto.
* Comedouros devem ficar de molho na água morna com duas tampinhas de cândida.
* No caso de jardins-banheiro como o nosso, vale a pena tirar as plantas e a parte de cima da terra e entupir os destroços com sal grosso e/ou Herbalvet diluído, só para garantir.
* Misturar sal grosso no granulado higiênico também ajuda a impedir que a giárdia continue se proliferando durante o tratamento.

Cumprida a missão, ponham-se a rezar. E não se desesperem com a diarréia coletiva.