.
.

29.5.09

Inversão de conceitos

Realmente fica difícil exigir que os bigodes parem de fazer xixi pela casa, se a caixa de areia está sendo usada para outros fins.

26.5.09

Foto-confissão

Se a Fabi não fosse uma das responsáveis pelo Mopi, talvez me odiasse por saber que o cachepot de Itacaré virou presente para os bigodes. E eu jamais publicaria esse post. Muito menos contaria que Chocolate adora dormir esmagada na cestinha. Ainda bem que a justiça divina funciona para as pequenas coisas. rs

22.5.09

Mais aniversariantes do mês – maio de 2009

Duvido que outra casa neste mundo abrigue cinco criaturas nascidas no mesmo dia! A festa das Gudinhas* foi pobre, com um sachê de salmão dividido em dez potes, porque eu precisei usar o estoque de latas de patê de atum com os bebês do cemitério de Santos e, na correria, acabei esquecendo de repor.

Impossível recriminar o exército de bigodes que me encarava com o semblante indignado de quem se vê obrigado a repartir um Alpino ou uma garrafinha Yakult. Estupidamente resfriada, eu liderei um parabéns nasalado, para disfarçar, e fingi não perceber Gudona escondida sob as cobertas durante o resto da tarde, evitando fazer a retrospectiva dos últimos dois anos de maternidade.

*Novelinha: Conheça a história das Gudinhas (inacabada por conta dos atropelos da vida de jornalista "coração de pudim")

20.5.09

Eu preciso desligar para amamentar, sorry!

Aceitar abrigar bebês de um mês que não se viram sozinhos é bem diferente de se imaginar dissolvendo Pet Milk em água fervendo a cada três horas. E enquanto Patrícia me passava as instruções de como cuidar dos microgatos do cemitério de Santos, às 23h do dia 4, eu lamentava mentalmente o fato de freelancers não terem direito à licença maternidade.

Os bigodinhos pesavam menos que um punhado de presunto e caíam de cima do rolo de papel higiênico como quem despenca de um edifício. Na primeira refeição improvisada, com patê aguado na seringa, joguei 60% do conteúdo em mim mesma, 20% na blusa da coitada e 10% na parede do outro lado quarto, porque os ingredientes mais duros entalavam no bico o tempo inteiro.

A estratégia de estimular xixi e cocô com um algodão úmido também foi fracassada. Vezes três. Àquela madrugada, não cheguei a dormir 4h, de preocupação. São Francisco deve ter se penalizado com a minha situação e, no dia seguinte, Boo aprendeu a comer no pratinho com Fandangos, o filhote mais autônomo das duas ninhadas.

Acontece que assim eles davam muito mais trabalho, porque juntava a falta de foco com a descoordenação, obrigando-me a passar cerca de 40 minutos resgatando as pragas de dentro dos potes, recolhendo a papinha que caía para fora, separando brigas, caçando fugitivos dispersos. A limpeza das patas e cabelos durava mais meia hora. E ainda tinha a sessão banheiro.

O granulado higiênico até ostentava umas melecas indistinguíveis. Mas como saber as respectivas autorias? Na terceira manhã, achei melhor pedir ajuda ao veterinário aqui do bairro. Por incrível que pareça, não me ocorreu que vagina, projeto de pênis e ânus deveriam ser esfregados de forma diferente (os primeiros na vertical, de cima para baixo, e o último na horizontal). A nova tática era infalível. E o cocô da Boo saiu com uma lombriga de filme.

No quarto dia, os camundongos já haviam trocado as mamães de pelúcia pelo meu colo. Bastava eu sentar no chão para que eles viessem correndo se amontoar, ronronando. E quando eu me dirigia à porta, levava três bolas de pêlo penduradas na barra da calça. Ziggy não tremia mais para andar, usava a caixa de areia com menos timidez e até arriscou umas lambidas na comida da irmã.

No sexto dia, eu precisei deixá-los sozinhos durante o almoço (a mamadeira fora completamente abolida do cardápio) e encontrei patê esmagado até atrás do armário. Fandangos quase morreu afogado na tigela de água. Ninguém ligou para as bolinhas de papel arremessadas com entusiasmo. Outra semana passou voando e eu decidi facilitar as coisas, apresentando os peludos à Baby Cat amolecida.

Claro que eles só toparam a substituição quando a fome se tornou insuportável. De vingança, na sexta-feira, Boo acordou com o olho esquerdo completamente colado. E no domingo eu reparei que o queixo do Ziggy estava machucado. Fandangos, aliás, continuava barrigudo. Toca viajar para Utinga, em plena na segunda-feira de trabalhos atrasados.

Dr. E. receitou um colírio para a rainha do apitaço, sugeriu trocar as vasilhas de plástico por recipientes de vidro, cerâmica ou alumínio, para ver se a irritação do pequeno diminuía, e só não deu outra dose de vermífugo para todo mundo porque eu esqueci de comprar a versão gotas.

Nesses 17 dias, os bebês evoluíram assustadoramente. Mas ainda me rodeiam como patinhos em volta da mamãe pata. E devem achar um absurdo eu ter outras prioridades na vida além de aquecê-los. A cada mordida ardida, fico pensando por que seus dentinhos afiados não conseguem mastigar os quadrados insignificantes da ração seca. Será que estraguei as crianças com batata-frita e refrigerante?

Para ampliar, cliquem na imagem


Epopéia dos bebês na busca por um lar:


:: Como tudo começou
:: Entre algodões e mamadeiras
:: Dicas para cuidar de filhotes
:: Adoção tripla!

16.5.09

Seu futuro a espera

Peggy foi encontrada filhotinha, em frente a um prédio da zona norte. Estava tão assustada que se escondia embaixo dos carros para fugir das pessoas. Quase dois anos se passaram, a pequena alcançou o porte médio, mas continua morando no canil coletivo da clínica veterinária que a acolheu, ignorando que, do lado de fora do portão de madeira, há cachorros que passeiam sem hora para voltar, que ganham cafunés nas orelhas três vezes ao dia, que brincam de caçar chinelos velhos, que roubam comida da mesa do jantar.


Com tanto tempo ocioso, ela aprendeu a dançar com a parede...

...a simular enfartos...

...e até a assobiar.

Agora, precisa de um dono paciente para voltar a confiar no ser humano (tanto que recebe com festa as meninas que trocam sua ração todas as manhãs). Se você conhece um coração de pudim com esse perfil, escreva para fabiana@mopibichos.com.br. E faça uma criança feliz!

Se você queimou 25 neurônios e não lembrou de ninguém, ao menos ajude esse sorriso esperançoso a rodar a internet.

12.5.09

E não é que nós ganhamos?

O certificado do Prêmio Abril de Jornalismo 2009 chegou hoje, pelo Sedex, junto com o catálogo chiquérrimo dos melhores trabalhos (texto, arte, fotografia e multimídia) publicados nas revistas e sites da editora, em 2008. Para quem pegou o bonde andando, a matéria da Nova Escola que contou com a minha participação de presidiária levou a estatueta na categoria "educação". Eis a justificativa:

A reportagem apresenta de modo responsável um diagnóstico dos principais problemas da educação brasileira. Discute caminhos e soluções. Oferece, ainda, uma excelente análise sobre a formação dos professores. A edição utiliza recursos como boxes, gráficos e tabelas que ressaltam a apuração meticulosa. O texto, claro e bem editado, traça uma radiografia precisa da qualidade do corpo docente no país e mostra como isso impacta nas salas de aula. Uma matéria grandiosa, com execução exemplar.

:)

10.5.09

Especial Dia das Mães 2009

Mãe que é mãe de verdade dá de mamar para bigodes cheios de dentes, não se importa de lamber dúzias de bumbuns por dia, come cocôs fugidios enquanto os pequenos não aprendem a usar o banheiro.

Irmã mais velha até se esforça para quebrar o galho, mas arremessa comida longe (inclusive na própria roupa), perde horas tentando estimular xixis com um punhado de algodão em vão e ainda leva uma salva de gritos dos bebês.

Esse post é uma homenagem à Guda, que eu passei a admirar ainda mais depois de pilotar a primeira mamadeira de Pet Milk.

Veja também: Especial Dia das Mães 2008

7.5.09

Aniversariante do mês – maio de 2009

Hoje, faz dois anos que Guda* deu o golpe da barriga em Gatoca. Eu pensei em retribuir a gentileza presenteando-lhe com os bebês do cemitério de Santos (e me livrando das 200 mamadas diárias), mas mudei de idéia ao lembrar que já não tive coragem de separar a família original – motivo da superpopulação local.

Deixei-a escolher, então, entre a bolinha florescente com guizo e o ratinho de penacho no traseiro, ambos enviados do Canadá pela Marcia, leitora querida do blog. Só que a (ainda) barriguda trocou tudo por uma sessão de massagem exclusiva e a clássica latinha de atum do parabéns coletivo.

*Novelinha: Conheça a história da Guda

4.5.09

Coração de pudim em surto!

Quem, em sã consciência e depois de passar o fim de semana inteiro trabalhando (para tentar tirar o atraso dos frilas), aceitaria dar lar temporário a três bebês rejeitados pelas mães e que não comem ração sozinhos? Quem? Quem?

Os camundongos chegam às 22h. Rezem por nós. :)

3.5.09

Lojinha virtual: Gatoca e Mopi pelos animais

Em um almoço de domingo, com direito à macarronada e suco aguado de melão, Fabi me contou que pretendia encerrar a lojinha do Mopi, para concentrar esforços nos projetos educativos. O porta-malas do Palio verde musgo espremia umas coisas tão lindas, que eu decidi aproveitar o dia de sol e fotografar tudo ali mesmo, no estacionamento do restaurante.

Pensei logo nas leitoras do blog. E na proximidade do Dia das Mães. Quem quiser dar uma força às meninas, basta escrever para fabiana@mopibichos.com.br. A boa ação terá peso dobrado, porque 10% de cada produto vendido será usado para cobrir as despesas com a estadia do Hórus em Gatoca, durante os meses de fevereiro, março e abril. :)

Canecas – R$ 10




Kits de esponjas – R$ 12



Nécessaire com kit de banho – R$ 12


Nécessaire bordada – R$ 15


Caderno para receitas – R$ 15


Caderno de endereços – R$ 15


Porta-chaves e correspondências – R$ 25


Bolsas de patchwork médias – R$ 50





Bolsa de patchwork grande – R$ 70