.
.

13.11.09

Homenagem

Milela foi uma das primeiras "resgatas" do AUG e amargou quase quatro anos no abrigo, porque não morria de amores pelos seres humanos. Cynthia Tebas resolveu adotá-la quando a Nina partiu, como forma de agradecer a ajuda da ONG nas transfusões de sangue que a pequena precisou. Sua cartinha emocionou até os corações mais gelados:

(...) Com a Milela foi diferente. Durante a internação da Nina, fiquei pensando no sofrimento dos gatos "encalhados" e prometi para mim mesma dar um lar para algum deles. O que ELA quer? O que ELA precisa? Tenho consciência que ela pode nunca se tornar minha filhinha, deitar no colo e ronronar, não espero isso, embora deseje muito. ELA vai ter a liberdade de viver como ela escolher. Isolada? Enturmada? Faremos de tudo para que viva feliz! Só torço para que um dia ela possa deixar para trás todo sofrimento que passou. Muito obrigada AUG, por cuidar dela para mim todos esses anos, com certeza ela nunca vai esquecer o que vocês fizeram por ela! Bem-vinda Milela! Essa é a sua casa, e nós somos a sua família.
bjs Cyn


Sabem quantos adotantes assim existem no planeta? Talvez uns dez. Impossível disfarçar a tristeza dessa perda. Cyn colecionava muitos motivos para ser trevas. Mas preferiu ajeitar o cabelo, caprichar na maquiagem e sair distribuindo sorrisos. Eu ganhei alguns. Querida amiga, espero que nesse momento você tenha de volta nos braços sua "alma gêmea felina". :)

14 comentários:

malicursi disse...

Perda irreparável pros corações gateiros...

fique bem onde estiver, Querida Cinthia

Anônimo disse...

Uma tristeza sem fim... não conheci ninguem igual com a mesma bondade dela. Nunca reclamou, nunca ouvi uma queixa... sentia vergonha quando estava perto dela, de ser tão impaciente, tão mimada, tão descontente... Ela é um exemplo que vou tentar seguir. Tomara que a Nina, o Pissú, e tantos outros estejam no colo dela agora... bjs Ju Bussab

Janice disse...

Sinto muito...

Bjus,Janice.

yone disse...

Eu a conheci na festinha de aniversário de Gatoca e passamos a noite conversando.
Nos reencontramos depois da Feira da Vila .
Somente 2 encontros , mas o suficiente pra ter certeza que ela era uma pessoa ESPECIAL!!

Rosa disse...

Eu também conheci a Cynthia na festinha de Gatoca.
Pessoa doce, ainda guardo com carinho tudo que conversamos naquela noite, família, os gatinhos, Nina, Milela... até sobre o tratamento de saúde... mas estava tão bem e radiante que nem me passou pela cabeça que era tão sério...
Tristeza, muita tristeza.

Journal Kittens disse...

é muito triste quando o nosso bichinho é doente e precisa passar sempre pelas mãos do vet, mas Deus coloca sempre no caminho pessoas capazes de trazer momentos felizes para dividir a dor.

Andréa Pereira disse...

Oi Beatriz

Sempre acompanho Gatoca em silèncio, nos falamos poucas vezes, mas agora preciso de seu conselho desesperadamente.Estou com minha própria gatoca em casa. Tinha dois lindos gatos (mãe e filho adultos) e adotei uma nova filha. só que ela foi KinderOvo total. Estava com 3 surpresinhas dentro. Agora tenho 6 gatos que eu amo de paixão e NÂO vou doar nenhum (todo mundo diz que eu tenho que doar porque são "muitos". Eu posso ser responsável por até 10). Mas os antigos estão estranhando e avançando nos nenéns (de cerca de 20 dias). Será que você, na sua experiência com a Guda e Gudinhas pode me dar uma dica. Desculpe invadir os comentários assim, mas não achei seu e-mail e asituação está ficando caotica. Se preferir pode me escrever no andrearosapereira@yahoo.com.br.

Beijos para você e gataria Cia LTDA

Tânia (Marienkäfer Laden) disse...

Que triste... Não a conheci, mas sei que ela adotou a Milela, lembro disso. Ela devia ter algum problema de saúde serio, pelo q entendi, mas lutou com um sorriso no rosto. Esse tipo de pessoa nos ensina a dar valor ao bem-estar q temos. Que Deus a ampare e que ela esteja serena no Ceu com muitos gatinhos!

Posseidon disse...

Situações que nossa razão não consegue compreender.

Não a conheci, mas pelo que percebo, era uma ótima pessoa.

Acreditando no bem e no mal, é possível amparar-se na idéia de que ela foi descansar desse mundo, em algum lugar muito melhor.

Meus sentimentos

Daniela disse...

agradeço por tb ter recebido alguns de seus luminosos sorrisos.
Cyn, até.
Bjos

Ana disse...

Beatriz, como ficaram os filhos felinos dela?

Eu sempre tenho esse medo, que é o medo das mães humanas ao contrário: que meus filhos sobrevivam a mim. :-/

Beijos,

Ana (do Mães de Felinos)

Beatriz Levischi disse...

Acho que a família continuará com os gatinhos, Ana.

Bruna disse...

Tenho uma gata adulta de 2 anos e adotei uma filhote de 45 dias. a mais velha quando ve a filhote mostra os dentes ameaça, oque devo fazer para ficarem juntas

Beatriz Levischi disse...

Siga as dicas deste post, Bruna: http://blog.gatoca.com.br/2009/11/dicas-de-adaptacao.html.