.
.

4.3.08

Ex-queletinhos: adoções no atacado

Smoo passa o dia atrás de Mika, uma gatinha resgatada da rua, mas até agora só levou patada. Do Ricardo ele não quer nem saber. Deby contou que basta escutar uma voz masculina para sair correndo na direção contrária.


Chococat e Lourdes dormem juntos embaixo da máquina de lavar roupa e costumam levantar animados às 5h30 para tocar o terror na casa da Raquel: mexem em tudo, arranham o sofá, brincam de bolinha – coisa inimaginável no cortiço da dona Lourdes*!


Na mesma semana, Susan comunicou ao maridão que havia adotado Conie (a filhotinha de dois meses que levara um pontapé e foi parar na UTI), sua peluda número oito. Eis a cartinha que me fez admirá-la ainda mais:

Aos dois meses, Conie passou por uma cirurgia com 90% de chances de morrer. Devido ao estado crítico do diafragma rompido, a costura da operação ficou muito perto do pericárdio, deixando sua respiração mais curta que o normal. Ela acabou de sarar de uma bronquite, aliás. Se a tal costura colar no pericárdio durante o crescimento, a pequena correrá o risco de viver pouco. Deverá, portanto, fazer raio-x freqüentemente. Além de ser preta, apresenta duas falhas enormes de pêlo, culpa de uma reação durante o tratamento à base de antibióticos. E ainda parece a reencarnação da minha Courtney: mesma cor, mesmo jeito.

Agora, me explica como escolher um puuuuuta adotante para uma gata preta, com falhas de pêlo, que precisa de acompanhamento veterinário constante e pode morrer cedo? Como doar uma criatura que é a cara da minha filha falecida, que me acorda todo dia, que entra no banheiro comigo, que me segue pela casa inteira?

Ficou! rs

beijos!
Su



*História completa dos montinhos de ossos da dona Lourdes, constantemente atualizada.

11 comentários:

Frau Dias disse...

hallo! eu sou mãe de um vaquinho que completa 11 meses no proximo dia 9. gostei muito da idéia do blog, vou "favoritar". Abraços!

Silvana disse...

Beatriz, e lá na Dna. Lurdes, como ficaram as coisas? Antes de responder, não desanime, essa hitória não tem fim, infelizmente.

Kiki­ disse...

É impressão minha ou o Smoo tá ficando gordo? =D

Gatinhos de toda parte disse...

:-)))

Vi Voce disse...

Oi Beatriz... E os gatinhos da Dona Lurdes que ficaram? Vc ainda pretendem retirá-los de lá? Queria tanto ser lar temporário... mas a distância...
Abraços
Luciana

Tati Mentzingen disse...

Que coisa boa!!

fiquei muito feliz!!!

Nessita! disse...

me emocionei lendo a história da Conie. ach oque melhor mãe do mundo ela não poderia ter arranjado! :)

Beatriz Levischi disse...

Obrigada, Aline! Agora me conta como um blog com títulos em alemão foi parar no Diário Popular. rs

Kiki, todos os ex-queletinhos ficaram assim rechonchudos. Basta um pingo de ração e dois de carinho.

Silvana e Luciana, ainda restam quatro sobreviventes na casa da dona Lourdes. Mas esses ela não quer deixar levar de jeito nenhum. Estamos torcendo para que a casa seja vendida logo: http://gatoca.blogspot.com/2007/12/tudo-o-que-voc-sempre-quis-saber-sobre.html

Também acho, Vanessa. :)

mlicursi disse...

Eeeeeeeeeee
Susu é demais

beijo pras 2

kikoesu disse...

O Smoo(ou a Smoo) foi adotado (a) pela Débora! Que coincidência! Ela é irmã de uma amigona antiga minha, a Silvia!!
Bjos e parabéns
Suzana

Beatriz Levischi disse...

Eu costumo brincar que esse mundo é um banheiro de rodoviária, Suzana. :)